Necesitamos hablar de esto: educación ambiental crítica y enseñanza del derecho en Brasil

  • Simone Grohs Freire
  • Vilmar Alves Pereira
  • Marcia Pereira da Silva
Palabras clave: Educación Ambiental Crítica; Educación jurídica; Derecho

Resumen

Este artículo trata de la relevancia de la inserción de una Educación Ambiental Crítica en la enseñanza del Derecho en Brasil. Para tanto, utiliza la perspectiva filosófica de la hermenéutica gadameriana y, desde un enfoque epistemológico y ontológico de la Educación Crítica Ambiental en contraste con un modelo positivista de la enseñanza del Derecho en Brasil, presenta las posibilidades de resignificación de la educación jurídica para incluso asumir, el mismo, el protagonismo de la transformación de la realidad planteada.

Citas

Brasil. (1988). Constituição Federal do Brasil. Fonte: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm

Brasil. (28 de janeiro de 1999). Lei n. 9795. Fonte: Diário Oficial: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm

Brasil. (29 de setembro de 2004). Resolução CNE/CES n. 9. Brasília: Conselho Nacional de Educação; Câmara de Educação Superior.

Carvalho, I. C. (2010). Os sentidos de "ambiental": a contribuição da hermenêutica à pedagogia da complexidade. Em E. Leff, A Complexidade Ambiental (pp. 99-120). São Paulo: Cortez.

Carvalho, I. C. (2011). Educação Ambiental: a formação do sujeito ecológico. São Paulo: Cortez.

Carvalho, J. M. (2015). Cidadania no Brasil: o longo caminho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Chauí, M. (2011). Apresentação. Em C. Lefort, A invenção democrática: os limites da dominação totalitária. . Belo Horizonte: Autêntica.

Colaço, T. L. (2011). Ensino e Pesquisa do Direito e da Antropologia Jurídica. Cadernos da Escola de Direito e Relações Internacionais, pp. 18-29.

Dias, B. d. (junho de 2015). Educação Ambiental Crítica: para além da teoria crítica, algumas contribuições da teoria pós-crítica. Revista Ciências & Ideias, pp. 124-132.

Freire, P. (2011). Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Gadamer, H-G. (2013). Verdade e Método I. Petrópolis: Vozes.

Grün, M. (2007). Em busca da dimensão ética da Educação Ambiental. Campinas: Papirus.

Guimarães, M. (2004). Educação Ambiental Crítica. Em P. P. Layrargues, Identidades da Educação Ambiental Brasileira (pp. 25-34). Brasília: Ministério do Meio Ambiente.

Hermann, N. (2002). Hermenêutica e Educação. Rio de Janeiro: DP&A.

Layrargues, P. P. (2006). Educação para a Gestão Ambiental: a cidadania no enfrentamento político dos conflitos socioambientais. Em C. F. Loureiro, P. P. Layrargues, & R. S. Castro, Sociedade e Meio Ambiente: a Educação Ambiental em Debate (pp. 87-98). São Paulo: Cortez.

Layrargues, P. P. (agosto/dezembro de 2012). Para onde vai a Educação Ambiental? O cenário político-ideológico da Educação Ambiental Brasileira e os desafios de uma agenda política crítica contra-hegemônica. Revista Contemporânea de Educação, pp. 398-421.

Layrargues, P. P., & Lima, G. F. (setembro de 2011). Mapeando as macrotendências político-pedagógicas da Educação Ambiental Contemporânea no Brasil. VI Encontro Pesquisa em Educaçao Ambiental, pp. 1-15.

Leff, E. (2012). Aventuras da Epistemologia Ambiental: da articulação das ciências ao diálogo dos saberes. São Paulo: Cortez.

Loureiro, C. F. (2009). Trajetória e Fundamentos da Educação Ambiental. São Paulo: Cortez.

Mondardo, D. (1992). Vinte anos Rebeldes: o Direito à luz da proposta Filosófico-Pedagógica de L. A. Warat. Florianópolis: UFSC.

Organização das Nações Unidas. (1992). Agenda 21 Global. Fonte: Ministério do Meio Ambiente: http://www.mma.gov.br/responsabilidade-socioambiental/agenda-21/agenda-21-global.html

Reigota, M. (2010). Meio Ambiente e Representação Social. São Paulo : Cortez.

Sato, M. (outubro de 2016). Surrealismo na po-ética ambiental. Revista Brasileira de Educação Ambiental, pp. 277-236.

Schwarcz, L. M. (2005). O Espetáculo das Raças: Cientistas, Instituições e Questão Racial no Brasil 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras.

Streck, L. L. (2014). Hermenêutica Jurídica e(m) Crise:uma exploração hermenêutica da construção do Direito. . Porto Alegre: Livraria do Advogado.

Streck, L. L. (maio de 2017). Resumocracia, concursocracia e a "pedagogia da prosperidade". Fonte: Consultor Jurídico: https://www.conjur.com.br/2017-mai-11/senso-incomum-resumocracia-concursocracia-pedagogia-prosperidade

Streck, L. L., & Bolzan de Morais, J. L. (2013). Ciência Política & Teoria do Estado. Porto Alegre: Livraria do Advogado.

Vieira, C. d. (2010). Direito, Ensino e Formação Docente: Vertentes de uma Democracia em Construção. Uberaba: Universidade de Uberaba.

Warat, L. A. (1988). Manifesto do Surrealismo Jurídico. São Paulo: Acadêmica.

Warat, L. A. (1997). Introdução Geral ao Direito: o Direito não estudado pela teoria jurídica moderna. Porto Alegre: SaFE.

Warat, L. A. (2004). Epistemologia e Ensino do Direito: o sonho acabou. Florianópolis: Boiteux.

Warat, L. A. (2010). Saber Crítico e Senso Comum Teórico dos Juristas. Sequência, pp. 48-57.
Publicado
2019-11-15
Cómo citar
Grohs Freire, S., Alves Pereira, V., & Pereira da Silva, M. (2019). Necesitamos hablar de esto: educación ambiental crítica y enseñanza del derecho en Brasil. Plumilla Educativa, 24(2), 109-126. https://doi.org/10.30554/p.e.2.3577.2019